sábado, dezembro 18, 2010

A ORAÇÃO DE ARJUNA

Derramei lágrimas nas rodas de meu carro de guerra.
Limpei-as da lama, do sangue, do fel,
destilados e vertidos por se trilharem campos nus.
Implorei aos céus clemência,
que me poupassem da barbárie.
Ouvi, simplesmente:
"Se você não lutar nesta batalha do bem sobre o mal,
você irá fracassar no seu dever,
perderá a sua reputação como um guerreiro,
e incorrerá em pecado por não realizar a ação correta."
(GITA 2.33)
Meu braço se levanta,
depois de desistir da luta,
depois da morte de meu filho.
Não abdico da vida,
não desisto de Dharma.
Que todos os Anjos me acompanhem,
nesta guerra que encetam contra mim.
Ainda que caia, levantar-me-ei,
pois não desisto de Dharma.
Ainda que chore, as lágrimas se secarão,
pois não desisto de Dharma.
Que o Deus Altíssimo guie meus passos,
faça fortes minhas pernas,
firme, meu tronco,
hábeis, meus braços,
e que Seu Filho me dê a visão dos sábios,
para que, de minha fraqueza,
resplandeça Seu poder infinito.
Não desisto de Dharma.

Nenhum comentário: